O horário de escrever - Escritor C F Scuo
C F ScuoVida de escritor

O horário de escrever

Qual o melhor horário do dia para escrever? O momento na qualidade da escrita, ou no sucesso em criar histórias? É possível que sim, mas não existe uma regra.

Para a maioria das pessoas, escrever consiste em um ato marginal, a se realizar entre os muitos compromissos do dia. Encontrar uma hora para sentar e encher páginas - ou telas - de palavras possui, portanto, importância.

Pode-se dizer que as manhãs são populares entre escritores. As criaturas matinais sentem-se mais frescas e alertas cedo, depois de uma boa noite de sono. João Ubaldo Ribeiro, Paulo Coelho e Clarice Linspector deram testemunho de serem escritores da manhã.

O exemplo de Clarice mostra que as manhãs proporcionam uma outra vantagem: um ambiente quieto, ainda imerso em calma e silêncio. Ela aproveitava o horário matutino, em que os filhos ainda estavam dormindo, para escrever.

Porém, muitas pessoas demoram para se engajar com o dia. Nas manhãs estão sonolentas e não conseguem se concentrar. Precisam de um tempo maior para se sintonizarem com o ritmo cotidiano. Alguns aguardam o almoço para que a mente atinja o auge de disposição e concentração.

Outros, logo cedo, enfrentam compromissos de trabalho, estudo ou família. Escritores desse grupo, entre o quais se incluem Rubem Fonseca, Lygia Fagundes Telles, ou Carlos Drummond de Andrade, elegem as tardes enquanto momento preferido para a escrita.

As tardes, no entanto, são menos flexíveis quanto à acomodação da escrita entre os outros afazeres. À medida que o dia avança, surgem tarefas domésticas e familiares, compromissos sociais e trabalho.

Talvez o período menos comum para a escrita sejam as noites. Isso porque, após vencer um dia inteiro de atribulações, o cansaço pode minar a energia do corpo e a imaginação, ferramenta tão indispensável ao ato da escrita.

Além disso, se a pessoa estiver cansada após um dia de trabalho, pode ser difícil encontrar a energia e a inspiração necessárias para escrever.

Assim como as manhãs, no entanto, as noites também trazem consigo um ambiente de mais tranquilidade, sem interrupções. Clarice Linspector também utilizava o horário da noite para escrever. Outro suposto animal noturno era Graciliano Ramos, que se entregava à literatura findas as responsabilidades do dia.

Talvez esteja aí o maior desafio do escritor: conseguir adequar a prática de escrever ao restante dos compromissos, que, com raríssimas exceções, terão maior prioridade do que a literatura.

Uma boa acomodação do tempo da escrita junto aos demais tempos da vida representa, portanto, o ponto central para que alguém persevere com sucesso na trajetória tão ingrata de escritor. De manhã, de tarde, de noite, ou o que for.






Nenhum comentário:

Postar um comentário

| Designed by Colorlib